Caminho Nascente

Crato < > Alpalhão

Etapa 17

Esta etapa tem início na vila do Crato, que tem como ponto de destaque o Mosteiro de Flor da Rosa, a mais importante igreja-fortaleza medieval portuguesa, concebida para sede da Ordem do Hospital no país e à qual se associava um mosteiro e um paço.

Alpalhão

Alpalhão é uma pequena vila do concelho de Nisa, situada na planície entre a serra de São Mamede e o rio Tejo, que integrou os domínios da Ordem dos Templários, sendo conhecida pelos benefícios das suas águas termais (a alguns quilómetros de distância, nas Termas da Fadagosa), pela qualidade do queijo tradicional e pelos trabalhos artesanais.

A iniciativa da Bienal da Pedra aproveitou igualmente o granito azul da região para deixar inúmeras esculturas espalhadas pela vila, entre as quais um intrigante dedo a apontar o céu (“Dedo de Deus”) no adro da igreja matriz.

Nesta pitoresca vila, que engloba um invejável património, encontramos a Capela do Calvário. O cruzeiro quinhentista evoca os âmbitos funerários, não apenas por apresentar Cristo crucificado numa face, como pelo recinto circular a que se associa, que recorda a planta do Santo Sepulcro. A outra face do cruzeiro exibe São João Evangelista amparando a Virgem. O conjunto dispõe ainda de uma capela que se implanta sobre um afloramento granítico.

Mosteiro de Flor da Rosa

Mosteiro de Flor da Rosa
Começou a ser construído Mosteiro de Flor da Rosa
Começou a ser construído depois de 1356, por determinação do então grão-prior Álvaro Gonçalves Pereira, a quem se deveu a transferência da sede de Leça do Balio para Flor da Rosa. De planta em cruz grega, com capela-mor ligeiramente mais profunda, a igreja surpreende pela verticalidade, robustez e ausência de decoração. As restantes parcelas do conjunto foram muito transformadas no século xvi e o paço arruinou-se em 1615. A igreja foi também restaurada no século XX, depois de ter parcialmente desabado em 1897. As principais obras ocorreram na década de 90 do século XX, altura em que as dependências monásticas foram adaptadas a pousada e a núcleo museológico composto por esculturas medievais do acervo do Museu Nacional de Arte Antiga.

Segundo uma inscrição na torre sineira, a Igreja da Misericórdia foi construída em 1511 e localiza-se no início da Rua da Carreira, principal artéria para quem chegava à localidade pelo lado sul. A capela-mor ainda preserva o abobadamento original, de feição manuelina, com a cruz da Ordem de Cristo no fecho. No século XVIII, o conjunto religioso foi atualizado esteticamente, incluindo-se o lavabo da sacristia, datado de 1759.

Já a igreja matriz, dedicada a Nossa Senhora da Graça, tem origem medieval, mas o seu aspeto atual é resultado de uma reforma consumada na época barroca. No interior, destacam-se o altar consagrado a Nossa Senhora das Candeias e a imagem da padroeira, no altar-mor.

Castelo de Alpalhão

Fundado por D. Dinis ao redor de 1300, o castelo de Alpalhão espelha a autoridade régia numa área tradicionalmente dominada pelas ordens militares: a do Hospital, a sul (Flor da Rosa), e a do Templo, a norte (Nisa). Os Templários estabeleceram uma comenda na vila, que passou à Ordem de Cristo no século XIV. O conjunto fortificado recebeu grande reforma entre 1492 e 1511, no tempo do comendador Fernão da Silva. Com sinais de abandono no século XVIII, a fortaleza estava já bastante arruinada em 1874, dela restando hoje escassos vestígios.

Alpalhão

e também…

Feira dos Enchidos Alpalhão − Março

Festas de Verão − Agosto

Casa do Brinquedo

A Casa do Brinquedo, que reúne mais de duas centenas de brinquedos antigos feitos de arame, pedra ou bonecas de trapos e de porcelana, fica localizada na antiga cadeia, no edifício contíguo ao da Junta de Freguesia.

Cada brinquedo tem uma história e uma ficha própria que informa sobre a data e a pessoa que o ofereceu, bem como relaciona e descreve os jogos infantis em que era utilizado, proporcionando, deste modo, não uma, mas muitas “viagens” à infância.

Casa do Brinquedo

Casa do Brinquedo

Por estrada deixamos o Crato em direção à Flor da Rosa mas a história do Santo Condestável persegue-nos… Desviando para um carreiro entre muros, o Caminho abre-se na ampla praça principal da vila, passando a Igreja Matriz (com uma réplica da sua espada no frontispício) e afrontando o imponente Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa (verimagem), hoje convertido em excelente Pousada. Vale a pena deter-se algum tempo a conhecer a mais importante igreja-fortaleza de Portugal e aproveitar para desfrutar de um café na confortável esplanada no jardim do hotel, caso não tenha sido já este o seu local de pernoita.

Prosseguimos o Caminho acompanhados de uma extensa paisagem bucólica e rural, em algum momento cruzado por uma ribeira sazonal que se transpõe através de uma rústica ponte pedonal de construção muito antiga. Daí até Vale do Peso é uma caminhada tranquila, em que os campos lavrados alternam com matas plantadas de pinheiros e eucaliptos. Nesta aldeia, aproveite para descansar, conhecer a Casa do Peso e abastecer-se, pois até Alpalhão não terá outra oportunidade.

Após a Fonte da Bica, o Caminho torna-se mais solitário, atravessando a estrada nacional e a linha de caminho de ferro como únicas referências distintas das matas circundantes, até encontrar a ribeira de Sôr, que assinala aentrada no concelho de Nisa. Com Alpalhão a pouca distância, refrescamo-nos na Fonte da Feteira, adornada com a vieira que identifica o Caminho, o que se confirma logo à frente com a primeira placa vermelha a indicar o GR 40 “Caminho português Interior de Santiago – Etapa de Nisa”.

Distância 19 km


Altitude máxima 349 m


Altitude mínima x


Subida acumulada 238 m


Descida acumulada -183 m


Duração 4h45m


Dificuldade (0-5) 3

Entramos em Alpalhão pela Rua da Carreira (Carreira=carreiro/via, de Santiago neste caso), com termo no Largo de Santiago. Aqui encontramos a Igreja do Espírito Santo, também chamada da Misericórdia, cujo interior ostenta uma imagem do Apóstolo, que tudo indica ser a do “Santiago Peregrino do Manto”.

Daqui seguimos até à Igreja Matriz e ao final da nossa etapa, por ruas de típico casario alentejano caiado de branco, alegrado por coloridas faixas que emolduram janelas e portas, de feição rural ou senhorial.

Dicas

Leve sempre água, mantimentos,protetor solar, chapéu, impermeável, calçado confortável e um mapa.

Apoio

 CTT − Alpalhão

 Praça de Táxis de Nisa
+351 245 412 186

Entidades Municipais

 Junta de Freguesia de Alpalhão
+351 245 742 154

Saúde

 Extensão de Saúde de Alpalhão
(+351) 245 742 121

 Farmácia

Pontos de Interesse

 Capela de São Pedro

 Capela de São Sebastião

 Cruzeiro de Alpalhão

 Capela do Calvário

 Capela Nossa Sra. do Bom Despacho

 Capela de Nossa Senhora de Redonda

 Igreja Matriz

 Casa Museu

 Fonte da Feteira

 Fonte Nova

 Fonte de Baixo

 Torre do Relógio

 Ribeira de Figueiró

 Ribeira de Sor

 Vereda da Sardinheira

CONTACTOS ÚTEIS

Emergência: 112
Incêndios Florestais: 117
Bombeiros Voluntários de Nisa: +351 245 412 303
Guarda Nacional Republicana: +351 245 742 225

CÓDIGO DE CONDUTA

Não saia do percurso marcado e sinalizado. Não se aproxime de precipícios. Preste atenção às marcações. Não deite lixo orgânico ou inorgânico durante o percurso, leve um saco para esse efeito. Se vir lixo, recolha-o, ajude-nos a manter os Caminhos limpos. Cuidado com o gado, não incomode os animais. Deixe a Natureza intacta. Não recolha plantas, animais ou rochas. Evite fazer ruído. Respeite a propriedade privada, feche portões e cancelas. Não faça lume e tenha cuidado com os cigarros. Não vandalize a sinalização dos Caminhos.