Caminho Central

Fornalhas Velhas < > São Domingos

Etapa 6

Relembramos a história do Vale de Santiago, que conta que, durante a crise de 1918, os trabalhadores rurais da região se uniram em rebelião e iniciaram aqui a primeira comuna anarquista. Tornaram-se vegetarianos e naturistas, dedicavam-se à agricultura e fabrico de calçado. Com duração curta, porém, pois foram alvo de perseguições e repressões policiais, e acusados de encorajar as greves rurais que mais tarde ocorreram.

A chegar a São Domingos

A chegar a São Domingos

Bem mais antiga é a igreja matriz de São Domingos, construída nos finais da Idade Média, altura em que a localidade era uma capelania da Ordem de Santiago, mas que ainda preserva da época manuelina uma pia de água benta. Templo simples, próprio de um território rural e periférico, a sua construção foi determinada por valores funcionais, enriquecida nos séculos XVII e XVIII com altares e imagens devocionais e uma torre sineira, já do século XX.

Igreja Matriz de São Domingos

Igreja Matriz de São Domingos

São Domingos foi buscar o seu nome, como este indica, a um santo. Uma antiga lenda conta que alguns habitantes locais tinham por hábito venerar uma imagem de São Domingos, que se encontrava num local indeterminado do lado sul da ribeira de São Domingos. Querendo construir uma capela do lado oposto da margem, traziam a imagem para o local pretendido mas, na manhã seguinte, a imagem insistia em miraculosamente aparecer no sítio original. É por essa razão que quer a igreja quer a povoação, têm a atual implantação.

Em São Domingos encontra ainda a antiga fábrica de moagem de José Mateus Vilhena, construída em 1925, que cessou atividade em 1982. Depois de um período de decadência, o conjunto monumental foi aproveitado para alojamento local. Parte do empreendimento foi convertido em Museu da Farinha, que abriu portas em 2014 e que recupera muito do material industrial anteriormente utilizado na fábrica.

Barragem de Fonte Cerne (Serne)

Com uma área de 105 hectares, a barragem de Fonte Cerne foi projetada em 1973 e construída em 1977, para aproveitamento do caudal da ribeira de Vale Diogo. O muro de aterro tem uma altura de 18 metros. É uma barragem secundária, que dispõe de sistema local de rega, embora hoje esteja mais vocacionada para zona de lazer.

e também...

Museu da Farinha

Inaugurado em 2014, o Museu da Farinha dá a conhecer um elemento do património rural e industrial marcante para a região do Alentejo. O espaço funciona na antiga Fábrica de Moagem, que funcionou até 1982 e onde se pode ver parte dos seus equipamentos, a maioria construída em madeira. Da seara ao pão, neste museu recorda-se o ciclo deste alimento, que faz parte da base da alimentação dos portugueses.

Seguimos até ao final da Rua 25 de Abril e continuamos em frente, por bom caminho de terra, ladeado por eucaliptos que asseguram a sombra. Seguindo a sinalização, entramos por um portão metálico na bonita propriedade do Monte Novo das Fornalhas e descemos a colina com uma barragem à vista do lado direito. Passamos a vau uma ribeira e não cedemos à imensa lama que se acumula junto à ETAR. Menos de 1 km depois, por entre rebanhos de ovelhas e parcelas cultivadas, chegamos a uma estrada (N262).

Viragem à esquerda e depois à direita, passamos então no sítio incaracterístico de Castelo Velho, local de antigos povoados fortificados pré-históricos, onde mais tarde se instalou um pequeno castelo rural do Período Islâmico, que a Ordem de Santiago aproveitou. Torres, cerros e castelos eram muito comuns no território de Odemira, para defesa durante as infindáveis guerras e conquistas alternadas de bastiões, desde o século viii até ao xii, nesta zona de fronteira entre os territórios de muçulmanos e cristãos portugueses. Infletimos mais uma vez à direita, para outro ramal asfaltado, o qual passa a estradão de macadame pouco mais à frente, assim que entramos no concelho de Santiago do Cacém.

O estradão largo permite ter boas panorâmicas de toda a região envolvente, em particular quando nos aproximamos da barragem do Monte dos Alhos, onde assistimos a virtuosas danças aéreas de milhares de aves de diferentes espécies.

Do lado norte da barragem ressalta ainda uma vasta plantação de pinheiros mansos sobre um atapetado verde vivo, que acrescenta uma bela moldura a este recanto inesperado. Passamos sobre a parede da barragem e encontramos uma curva em estrada asfaltada, rodeando as instalações do Monte dos Alhos, na qual tomamos o percurso da esquerda. Após 2,5 kms, viramos de novo à esquerda para seguir por Foros da Casa Nova. Aproveitamos para uma pausa no café A Paragem, o único na aldeia e que também prepara almoços, o que vem mesmo a calhar!…

Distância 19,7 km


Altitude máxima 110 m


Altitude mínima x


Subida acumulada 214 m


Descida acumulada -223 m


Duração 5h00m


Dificuldade (0-5) 3

etapa 6 - central

Com o estômago preparado para o derradeiro esforço até São Domingos, entramos por terrenos em que a atividade agrícola perdeu espaço, dando lugar sobretudo aos eucaliptais e a montado, mais ou menos organizado, ao longo dos 6 km que nos separam do final da etapa. Atravessamos a aldeia em direção à Junta de Freguesia, situada no mesmo Largo 25 de Abril que a antiga e singela igreja ali existente, e onde damos por terminado o percurso de hoje.

Aqui, em São Domingos, visitamos o Museu da Farinha, na Rua 1º de Maio. Situado numa antiga fábrica de moagem, expõe a maioria do material industrial usado na fábrica, que fechou em 1982. Na igreja matriz, construída quando a localidade pertencia à Ordem de Santiago, descobrimos uma pia de água benta manuelina.

Dicas

Leve sempre água, mantimentos,protetor solar, chapéu, impermeável, calçado confortável e um mapa.

APOIO

 ATM

 Posto de Correios de São Domingos − Papelaria Joaninha

 Supermercado

 Balneário Público

Entidades Municipais

 Junta de Freguesia da União de Freguesias de São Domingos e Vale de Água
+351 269 903 158

Pontos de Interesse

 Barragem de Campilhas

 Igreja de São Domingos

 Museu da Farinha

CONTACTOS ÚTEIS

Emergência: 112
Incêndios Florestais: 117

CÓDIGO DE CONDUTA

Não saia do percurso marcado e sinalizado. Não se aproxime de precipícios. Preste atenção às marcações. Não deite lixo orgânico ou inorgânico durante o percurso, leve um saco para esse efeito. Se vir lixo, recolha-o, ajude-nos a manter os Caminhos limpos. Cuidado com o gado, não incomode os animais. Deixe a Natureza intacta. Não recolha plantas, animais ou rochas. Evite fazer ruído. Respeite a propriedade privada, feche portões e cancelas. Não faça lume e tenha cuidado com os cigarros. Não vandalize a sinalização dos Caminhos.